Palco Sunset se consagra como o espaço mais democrático e inovador do Rock in Rio 2017

Elba Ramalho comandou O Grande Encontro no Sunset / foto de Luck Veloso
O Palco Sunset vem confirmando a cada ano, ser o espaço mais interessante e democrático do Rock in Rio e com o passar das edições, se solidifica ao apresentar um menu além de eclético, com propostas inovadoras. Destacando o dia 22 de setembro, quando a banda Sinara invadiu o palco derramando uma parede sonora, tivemos a comprovação de que o DNA é algo realmente forte. 


O forte DNA da banda Sinara empolgou a galera / foto de Luck Veloso
Formada por filhos e netos de Gilberto Gil, o grupo conseguiu angariar a atenção de quem chegava à cidade do rock, misturando sons típicos brasileiros como o maracatu a pitadas de reggae e é claro, do rock. 

Mateus Aleluia foi o convidado da banda Sinara / foto de Luck Veloso
Ao convidarem Matues Aleluia para compartilhar o Palco Sunset, fizeram a mistura perfeita entre os novos que procuram trilhar pelo caminho da boa música e alguém já consagrado, que usa elementos afros com pitadas indígenas para construir suas canções.


Baiana System, impossível ficar parado / foto de Luck Veloso
Em seguida, a galera antenada do Baiana System fez a terra tremer como se diz na Bahia, com seus sons que misturam diversos ritmos brasileiros, pegando pitadas de sons folclóricos e injetando um baixo plugado lá no dez, pulsante até para quem estava no meio da galera, em frente ao palco.

A convidada não poderia ter sido mais indicada. A angolana Titica subiu ao palco para acompanhar os caras, mostrando porque o Kuduro, ritmo original de seu País, tomou o mundo de assalto e fez muita gente rever os conceitos de gingado ao redor do planeta. Um show para esquecer dos problemas e simplesmente dançar, com frases simples e melodias pra cima.


Alceu Valença em tarde inspirada no Palco Sunset / foto de Luck Veloso
O público teve mais presentes. Após a dobradinha, rolou um dos shows mais aguardados desta edição do Rock in Rio, o chamado "O Grande Encontro", projeto que reúne artistas que tocam a música de raiz do nosso Brasil, Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo.


Elba foi uma das poucas artistas que puxou o coro de ´Fora Temer´ no palco / foto de Luck Veloso
Com um forte discurso político, Elba Ramalho tomou o microfone para entoar um forte "fora Temer", no que foi ovacionada pela platéia que há dias vem gritando a frase mas tendo pouco eco nos artistas que subiram ao palco nos últimos dias. 


Geraldo Azevedo emprestou sua poesia e suavidade ao Grande Encontro / foto de Luck Veloso
Com um setlist mesclando grandes sucessos dos três, rolou de tudo um pouco. Teve "Anunciação", "Papagaio do Futuro", "Dia Branco", "Bicho de Sete Cabeças", a emocionante "Chão de Giz", a doce "Belle de Jour" e ainda a deliciosa e atemporal "Morena Tropicana", que foi cantada em coro por todos. Rolaram ainda "Taxi Lunar", "Pelas ruas que andei", "Banho de cheiro" e "Frevo mulher", transformando o sunset em um grande salão de dança.


Ney Matogrosso e Jorge Du Peixe junto ao Nação Zumbi / foto de Luck Veloso
A tarde e início da noite já estavam perfeitas quando logo após o show de Elba, Alceu e Geraldo, o Palco Sunset foi tomado por uma das misturas mais interessantes já propostas no espaço. Ney Matogrosso e Nação Zumbi, interpretando as obras de arte dos Secos & Molhados.


O público se aglomerou para curtir os shows do Palco Sunset / foto de Luck Veloso
Com quinze músicas no setlist, a missão era dar destaque à banda que tornou Ney Matogrosso um ícone brasileiro ainda no iníciou dos anos 1970. A lista musical foi rica, porém como o alcance sonoro de Ney e Jorge Du Peixe é vasto, houve ainda espaço para "Maracatu Atomico", música de Nelson Jacobina e Jorge Mautner que ficou muito conhecida pela versão do Nação Zumbi, além de "Refazenda" de Gilberto Gil e é claro, o mestre dos ritmos, Jackson do Pandeiro, que surgiu com "A ordem é Samba".

O espaço foi com certeza um dos mais concorridos da noite de 22 de setembro no Rock in Rio, com o público acompanhando e curtindo tudo de perto e cantando junto a maioria das letras, sempre é claro, dando um tom de protesto político com o já clássico ´Fora Temer´ a intercalar as músicas, mas no geral, o clima de paz e festa tomou conta da noite de sexta-feira na nova Cidade do Rock.


Rogério Flausino e seu Jota Quest com a receita pop fazendo o esquenta no Palco Mundo / foto de Luck Veloso

A noite teria ainda os medalhões Tears for Fears e Bon Jovi, que é claro, atraíram a multidão que se aglomerou à frente do Palco Mundo para as grandes atrações. Antes deles rolaram os shows do Jota Quest, que com seu pop recheado de hits, segurou bem a galera no esquenta por uma hora e ainda o Alter Bridge, banda que surgiu logo após a pausa do Creed e que também representou bem antes das grandes atrações da noite subirem ao maior palco do festival. A programação de sábado, 23 de setembro no Rock in Rio tem Titãs, Incubus, The Who em seu primeiro show no Rio de Janeiro e o retorno do Guns N´ Roses. Prepare-se, porque a noite vai ser longa! 




Palco Sunset se consagra como o espaço mais democrático e inovador do Rock in Rio 2017 Palco Sunset se consagra como o espaço mais democrático e inovador do Rock in Rio 2017 Reviewed by Luck Veloso on 12:11 Rating: 5
Postar um comentário

Join Us