Wellington nao tinha mae, nem namorada...

Bom, depois do choro, realmente é preciso olhar para a frente e seguir. Sei que para nós é mais fácil, afinal nenhum de nossos parentes (espero), estava na escola de Realengo. Escrevo esse texto no domingo, dia 11, quatro dias após o ataque covarde. Entao decidi que precisamos de palavras mais suaves, nao sei… cansei de falar (e ouvir) sobre o tema, até porque quem se foi infelizmente nao voltará. Sendo assim, decidi fazer uma ode as mulheres. Acredito que, assim como os misteriosos gatos, esses felinos que habitam silenciosamente nossas casas, as mulheres tem muito a nos ensinar. Certamente existem umas exceções mas, tente se lembrar, quando foi a última vez que voce viu uma mulher gritando ao transito e apontando o dedo do meio na direcao de alguém? A cena até acontece mas (ainda) é rara. O que aconteceu em Realengo foi, literalmente, falta de mulher. Wellington nao teve mae e a última que ele conheceu, havia morrido. Nao tinha namorada e nunca houve registro de alguma alma feminina em sua vida. Talvez more aí sua atitude contra todas aquelas meninas, que um dia poderiam ser também maes.

Recentemente tive que levar minha mae ao médico. Pegamos a Avenida Brasil em direcao a Santa Cruz, onde ela é sempre muito bem atendida. Estávamos em três, eu, ela e Mary. O papo das duas sempre me encanta porque é recortado por risadas, deboches e suaves palavrões que vou ouvindo e que me divertem, enquanto presto atenção a todos os retrovisores do carro. Isso me acalma. Nao que eu seja um cara nervoso, mas quando estou com mulheres ao lado, seja a que me colocou no mundo ou a que me ajuda a me manter sano nele, fico mais suave, mais calmo, mais feliz. Mantive a velocidade nos 80 km e segui pela pista do meio, com uma leve sensação de "contramão". Os demais carros seguiam em um ritmo frenético, veloz e passavam por nós como flechas. Seguíamos nosso caminho devagar (e sempre), para a remoção de algumas marcas no rosto de minha progenitora, algo que a incomodava e eu estava feliz por a ajudar de alguma forma neste processo.

Sempre me considerei um cara de sorte. A vida me deu de presente várias mulheres. Sou rodeado por elas e elas me fazem muito feliz. Aproveito para descontar o lado tarado que todo homem tem. Alguns declaram, outros nao, mas eu assumo. Amo as mulheres! Em particular a minha. A suavidade da mulher é algo que precisamos nao somente estudar mas aproveitar e adicionar a nosso cotidiano. O olhar terno, a preguiça na hora de acordar e o modo como se esticam como gatas (que sao…) e entao um leve sorriso, ou até mesmo uma barulhenta gargalhada, logo ao acordar… Isso tudo é praticamente coisa de mulher, nao vejo um homem com tal poder. Se o tem, camufla para nao parecer "afeminado", mas que mal teria nisso? Se nao vivêssemos em uma sociedade tao homofobica, certamente estaríamos em um pais muito melhor. Para que isso aconteça, o homem que está lendo esse texto nao precisa virar mulher e nao estou fazendo aqui uma apologia ao homossexualismo. Cada um sabe de si e vive como pode. O que falo por aqui é que depois de tanto observar ao longo dos 38 anos que habito o planeta Terra, constatei que a mulher está definitivamente em moda e se voce nao nasceu uma, tente pegar alguma coisa deste complicado e fascinante ser. Nao falo de trejeitos e requebros, mas sim da psique, do comportamento, educação e lucidez… Porque a mulher é algo assim, pra se apreciar e estudar e tentar entender como conseguem permanecer tao doces em um mundo cada vez mais ácido e salgado…
Wellington nao tinha mae, nem namorada... Wellington nao tinha mae, nem namorada... Reviewed by Luck Veloso on 16:16 Rating: 5
Postar um comentário

Join Us