Etapa final - O crossing e Barcelona

Faltam apenas 12 dias para eu desembarcar desta aventura que tem sido trabalhar em navio por seis meses circulando pela Europa. Tem sido uma experiência de vida incrível embora bastante desgastante também. Para ter uma idéia, emagreci quase dez quilos nestes meses (se é que isso é possível, pois sou o magro dos magros…). Quando encerrar em 22 de novembro terei vivido 185 dias de intensa atividade, tocando todas as noites para um público super exigente e ferrenho, o que acabou me forcando a aprender um pouco mais do espanhol, embora ainda não saiba muito. Estivemos em Barcelona no último dia 8 e eu me encontrava mega cansado na cama pensando se sairia ou não, mas como não é todo dia que se está em Barcelona, reuni forças e coragem e coloquei o pé na estrada.

O clima em Barcelona estava um tanto gelado. Pelo menos para um carioca da gema. Faziam dez graus e um vento muito frio tornava a sensação térmica mais baixa ainda. Como sou de rua, não resisti pois não queria deixar passar a oportunidade. Me encasaquei todo e lá fui eu para a rua em vôo solo, pois todos já pareciam ter zarpado para fora do navio. Não conheci muito pois como estava sozinho e não teria muito tempo, não queria arriscar ir longe, portanto me concentrei em conhecer pelo menos o centro de Barcelona, circulando basicamente pela famosa La Rambla, que é um tipo de corredor turístico e cultural da cidade, com vários bistrôs, cafés charmosos e muitos artistas de rua vendendo suas obras ou simplesmente apresentando seus trabalhos de pintura e fantasias. Diferentemente de Roma, onde estive no dia seis, não tive vontade de comprar nada em Barcelona, não sei porque. O centro da cidade é bem interessante e segundo me informei, tem uma vida cultural bem ativa.

Segui caminhando por La Rambla, que não coincidentemente também é o nome de um dos salões principais do navio em que trabalho e fiquei observando tudo e todos, tirando foto do que julgava ser interessante. Depois de 15 minutos de caminhada, encontrei um mercado bem charmoso no centro da rua principal chamado Saint Joseph La Boqueria. Uma espécie de mini mercado de rua reunindo diversas especiarias entre doces, bolos, salgados diferentes, frutos do mar e muito pescado resultando em um interessante colorido e mescla de aromas. Adoro este tipo de lugar, me dá uma saudade do Rio de Janeiro, da Lapa e da Rua do Lavradio, por onde amo circular. Entrei no mercado e comecei a flagrar coisas cotidianas com a câmera em punho. Um monte de caranguejos expostos à venda, que resultavam em uma imagem interessante por seu colorido e forma e ainda uma bancada com doces multi coloridos. Acho que ando precisando de cores nestes dias finais da rota européia, dias de muito mar bravo e céu cinzento. Claro que não me atrevo a reclamar do que estou fazendo, conheço pessoas que inclusive pagariam bem caro para estarem no meu lugar e estou trabalhando no que gosto e conhecendo um dos melhores lugares do mundo, ou seja, o lado bom da Europa, então reclamar pra que? Mas tem horas em que por mais que esteja fazendo o que se ama, uma certa rotina te cansa.

Creio ter andado pelo menos uma hora e meia pelo centro de Barcelona e pelos recantos de La Rambla. Uma coisa que me encantou foi o teleférico que passa bem em cima da cidade, junto ao porto. Queria ter reservado um tempo para poder andar ali mas infelizmente não havia. Quando caminhei de volta ao navio, pedi a uma mulher na rua para tirar uma foto minha. Uma sensação estranha e ao mesmo tempo agradável. Embora me sentisse bem por estar ali, me senti um tanto sozinho. Me soava diferente parar uma pessoa na rua que nunca vi na vida para que me registrasse em uma foto. A mulher, muito paciente me pediu explicação de como funcionava a câmera e se colocou em posição de paparazzi para me congelar na imagem. Fiquei ali observando aquela cena enquanto mil coisas passavam pela minha cabeça. Como essa vida é maluca… eu ali no centro de Barcelona parado em frente a uma estranha a sorrir para tentar sair bem em uma foto e querendo ao mesmo tempo estar em tantos outros lugares. Click, ela registrou. Agradeci e voltei ao meu vôo solitário. Como tudo o que olho tem que ter um registro, uma cena me chamou atenção na rua principal. Do outro lado da calcada admirei um casal sorrindo. Apontavam para a avenida cheia de carros e em determinado momento, se colocaram com rosto serio olhando para baixo, algo que estava escrito no asfalto. Observei que havia o mesmo sinal no lado em que estava e era uma frase pintada no chão da via principal que dizia: "A Barcelona, 1 de cada 3 morts en accidents de transit anava a peu. Atenció, tots som vianants!". Click, registrei.

Voltei ao navio com uma certa amargura, queria andar mais. Sempre quero andar mais pelas cidades, ainda mais quando sei que tenho pouco tempo para isso, mas não havia jeito, teria que retornar caso não quisesse ficar por ali largado. Ao chegar perto do porto, vi vários brasileiros com malas saindo do navio rumo a suas casas. Uns pareciam felizes, outros um tanto amargurados e uma outra parte neutra, com cara de nada. Como dizia Raul Seixas, não sei viver paixão morna. Não é bem assim que ele dizia mas o sentido é esse. Tenho encontrado tanta gente a reclamar da vida por aqui que por vezes me pergunto o que planejaram para si próprios já que estar aqui foi uma opção nossa, então constatei mais uma vez que o ser humano tem o dom de reclamar. A do vizinho é sempre mais gostosa e você nunca olha e agradece pelo seu próprio banquete, ficando a tentar recolher os pedacinhos muito tempo depois, por isso, mesmo com alguns contratempos óbvios e necessários nesta breve caminhada de trabalho aqui pela Europa (e pela vida), agradeço sempre que posso a esta incrível oportunidade que se postou em minha vida, que certamente mudou completamente meu jeito de pensar e agir e daqui pra frente serei uma outra pessoa, como tudo o que vivenciamos com intensidade, ou seja, ou nos muda para o bem ou para o bem. Que seja assim pra sempre!

Musicas que escutei enquanto escrevia este post:

A Thousand Years - Sting
Fragile - Sting
Let Your Soul - Sting
Love Removal Machine - The Cult (The Electric Mixes)
Wild Flower - The Cult (The Electric Mixes)
Brigas Nunca Mais - Paula Morelenbaum
Meu Esquema - Mundo Livre SA
Ha Dias - Luca Mundaca.

Você também pode gostar:

1 comentários

Mais vistos