Western Union - odeie ou odeie 2

Como citei ha alguns posts, acredito ter muita sorte na vida, tanto em conhecer pessoas quanto em outras situações em geral. Se você leu o meu post sobre a revolta com a Western Union, este aqui sera o inicio do desfecho, creio. Quando cheguei aqui em Veneza tinha a importante missão de resolver minha questão com a citada empresa e ainda resgatar um valor para comprar a maquina do Andre. Fui a Praca Sao Marco com o guitarrista Jose Luis e entramos na 'cola', ou melhor, na fila da WE. Uma vez la, todos falando ao mesmo tempo, conhecemos uma brasileira que vive na Italia ha pelo menos 24 anos. Otimo, a mulher sabia tudo sobre envio e recebimento de valores e parecia ter bons conhecimentos nesta área. Quando chegou minha vez, me ajudou na tradução do meu portunhol para o italiano, tarefa dificílima. Com a questão do meu envio de dinheiro para o Brasil, nao haveria jeito, teria que esperar retornar para a Grecia nesta semana, ok, fazer o que? Quando fui sacar o valor para comprar a maquina do Andre, queriam saber o valor exato em reais que haviam me enviado do Brasil, caso contrario, nao poderiam pagar… nossa, essa WE… Claro que eu nao tinha! Havia anotado somente o nome do remetente e o valor em dólares e o numero do protocolo, mas isso tudo nao bastava.

Fiquei muito muito muito irritado com a atendeste italiana que parecia nao ligar para o atraso de vida que estava me causando. Havia ainda outro agravante. Simplesmente nao ha internet na Praca Sao Marco. Bastaria eu acessar meu e-mail e resgatar o tal valor, mas cade o lugar com a internet? Foi quando nossa conhecida brasileira nos ofereceu de levar-nos ate sua casa, onde poderíamos utilizar a internet. Ela queria ainda um papo sobre como conseguir colocar seu filho para trabalhar a bordo. Por que nao? Uma mao lava a outra e la fomos embarcados no carro a caminho de Mestre, um lugar vizinho a Veneza. A mulher pilotava um bocado e em poucos minutos estávamos em sua casa, um aconchegante duplex pertinho de Veneza onde vive com os filhos, marido e netos. Simpatica e atenciosa, nos permitiu usar a internet, tomamos uma cerveja e resolvemos a vida no line bem rápido. Nao queria perder a hora de voltar. Regressamos para o centro de Veneza e fiquei de conseguir resolver a questão da maquina no dia seguinte, o que felizmente consegui hoje e ca estou com a Nikon do Andre nas maos e uma difícil tarefa, a de fazer seu test. drive. Agora e sacar imagens e ir me adaptando ate pegar a outra. Wester Union, I ate U!

Você também pode gostar:

2 comentários

Mais vistos