Ondas revoltas...

A caminho de Mikonos (ao mar), 08/06/2010 - 16:11

A pressão quando se trabalha em um navio êh algo impressionante. Pode parecer uma vida maravilhosa conhecer varias partes do mundo como estou fazendo, principalmente da Europa, que êh o sonho de qualquer um, trabalhando no que gosta e ainda recebendo por isso. Sim, tem sido maravilhoso realmente, mas nao êh assim para todos. Hoje ao chegar do ensaio me deparei com uma cena que nao esperava. O chão em frente a minha cabine e a de outra pessoa estava cheio de sangue, muitos pingos… Como a cabine em frente a minha estava aberta e também havia sangue em seu interior, achei logo que poderia ter acontecido algo a Elisa, uma das cantoras dos espetáculos, mas nao podia ser, pois estávamos todos ensaiando juntos ha pelo menos 15 minutos, embora desgraças nao tenham hora para acontecer.

Encontrei uma inspetora vestida de branco em frente ao corredor e lhe perguntei: "what's happening?". Ela me respondeu em bom português que dois de sua equipe de limpeza haviam saído na mao ali no corredor. Nao pude acreditar, pois um dos envolvidos e uma das pessoas mais tranqüilas e amáveis que ha aqui no navio, tratando a todos com muito respeito, inclusive me pediu para gravar um cd para ele. Entao a inspetora me respondeu que havia sido o outro, nao me recordo a nacionalidade dele, mas acabou de chegar ao navio e já sera mandado de volta para casa. Pior, com a ficha suja, provavelmente nunca mais trabalhe neste tipo de empreendimento. Lamentavel. Nao digo que jamais cometeria um ato destes pois nao sei o que se passou, nao conheço a historia mas creio que ele tenha perdido a cabeça por muito pouco, deixando para trás todo o esforço que deve ter sido feito para chegar ate aqui. Nao êh tao fácil estar aqui, mesmo para um cleaner.

A maioria dos artistas que aqui esta passou por árduos testes, alguns deles com segundos sendo contados por pessoas que avaliavam suas performances e resultados. Estou aqui como DJ creio que seja porque sempre demonstrei muita vontade de aprender e a equipe européia viu o meu trabalho durante o carnaval no Brasil. Nao reclamei, trabalhei muitas horas e sempre com sorriso no rosto. Se você esta em um lugar que almejou estar e sempre quis, nao pode se dar o direito de reclamar depois que o consegue, porque nada êh o que vc realmente espera nesta vida, nada! Se achas que vai trabalhar em uma biblioteca e poderá passar o dia todo sentadinho lendo e atendendo a uma ou outra pessoa de meia em meia hora, saiba que você com certeza estará enganado. Provavelmente tera que catalogar milhares de livros, provavelmente tera ate que limpar estes livros, provavelmente tera que reorganizar os milhares de livros de uma instante, ou entao quem sabe, colocar estes mesmos milhares de livros em um outro lugar somente para uma conferencia e depois, coloca-los todos de volta a seus lugares… enfim, ao final do dia uma das poucas coisas que vc tera feito êh ler tranqüilamente.

A musica sempre me fascinou e continuara a me fascinar ate o meu ultimo suspiro. Com o tempo, fui aprendendo que nem sempre êh possível somente ouvir musica e colocar as pessoas para dançarem. Nao ainda. Eh preciso muito mais… um trabalho intenso de relações publicas, trabalho de assessoria, muita diplomacia, paciência testando seus limites, muitas horas pensando ' meu Deus, por que nao comigo' e mais um punhado de horas pensando ' por que comigo' ? Muitos questionamentos, muitas incertezas, cobranças de pessoas amadas e queridas, cobrança da sociedade que ainda nao vê como um trabalho serio quem se dedica inteiramente a musica e a viver dela, como to fazendo agora. Nao culpo ninguém, isso êh uma cultura. Segundo os hipócritas e que nao pensam, o trabalho so pode ser chamado de trabalho quando gera suor. Isso nos foi imposto e alguns compram esta idéia com um fervor doentio. Se vêem um bailarino (que por sinal, sua muito!) ou alguém trabalhando em um computador, acham 'moleza'. Acontece que exercitar o cérebro êh talvez a atividade física mais complexa de todas e êh isso o que todos os artistas tem que fazer diariamente para ganhar seu pão, respeitando as diferenças e sabendo conviver e aceita-las. Cultura êh isso, viver a diferença, experimenta-la e se nao puder aceita-la, apenas respeite-a. Assim estaremos caminhando para dias melhores.

Musica deste post:

A única que consegui ouvir, mas ainda bem que ela tem 26 minutos:

Dazed and Confused - Led Zeppelin
Ondas revoltas... Ondas revoltas... Reviewed by Luck Veloso on 08:14 Rating: 5
Postar um comentário

Join Us