Mônica Montone na rádio CULT FM


Mônica Montone é escritora, cantora, blogueira. A moça já produziu programas de TV, eventos de literatura, já atuou numa peça de teatro – Apocalipse segundo Domingos Oliveira, de Domingos Oliveira – estudou psicologia e adora fazer caras e bocas para as fotos. Não é à toa que seu blog Fina Flor é sucesso na Internet. Estamos falando de uma dama cheia de atitude.

Após lançar seu primeiro disco com músicas próprias e em parceria com o poeta Claufe Rodrigues, Mônica se prepara para o lançamento do seu primeiro videoclipe, na próxima terça-feira, 9 de fevereiro, no Cinematheque (RJ). E o melhor de tudo: a partir de hoje integra o time de feras que tocam na rádio CULT FM.


LV: Quem nasceu primeiro, a escritora ou a cantora?

MM: A Moniquinha Furacão [apelido de infância!]. Desde pequena fazia apresentações para os amigos dos meus pais nas festas, adorava me fantasiar e passava o dia cantando no quarto com um desodorante nas mãos fingindo ser um microfone. Comecei a cantar e escrever ao mesmo tempo, na época do colégio, quando eu matava aula para tomar porre no boteco da esquina e passava as tardes cantando com os amigos. Mas profissionalmente, a escritora chegou na frente, quando lancei o livro Mulher de Minutos em 2003.

LV: Você tem um dos blogs mais charmosos da Internet. Você bloga por que gosta ou por que precisa?

MM: Já não sei mais! Blogar é uma cachaça. Meu tempo apertou, tentei fechar o Fina Flor, mas em menos de dois dias voltei atrás. Gosto das amizades que fiz por lá, gosto de saber que tenho um espaço para me expressar da maneira que quiser, sem medir palavras.

LV: A maior parte das músicas do seu disco tem letras assinadas por você. Como é o seu processo criativo?

MM: As composições são todas do poeta Claufe Rodrigues. Algumas letras ele mesmo pegou poemas do meu livro e musicou, outras, como Marinheiros e Tenho pena eu compus. Geralmente acontece assim: o Claufe chega com a música, eu sinto o que ela me traz e começo a soltar as palavras até elas se encaixarem. Aí gravamos num gravador fuleiro e depois vamos afinando a melodia. É uma parceria, adoro compor com ele. Marinheiros, por exemplo, eu brinco que pari. A música saiu num sopro, não alterei nada desde a primeira vez que cantei. Acho que tem a ver com intuição, não sei.

LV: Se você tivesse que escolher a delícia de ser cantora e o inferno o que escolheria?

MM: A delícia sem dúvida é estar no palco, sentir a vibração da platéia, cantar. Quando estou cantando encontro com Deus. Não estou em nenhum lugar e estou em todos os lugares ao mesmo tempo. O inferno também é estar no palco, ou melhor, conseguir um palco. Aqui no Rio se você não toca samba as opções de casas para tocar são poucas, as casas cobram mínimo do artista. Teve uma casa que me cobrou 1000 reais para tocar e disse que esse era o preço para artista autoral se apresentar. Ou seja, se você toca músicas de outras pessoas tem lugar garantido, mas se está criando, apresentando algo novo, tem que pagar, é complicado.... Mas é um inferno que vale a pena enfrentar e 'apesar de' não tenho do que reclamar.

LV: O que as pessoas podem esperar do seu primeiro videoclipe que está prestes e ser lançado?

MM: Muita alegria. É um clipe alegre, colorido, para cima, brincalhão. Reflete um pouco a minha maneira de ver o amor [o clipe é da música Te amo de amor]. Para mim o amor é um acontecimento e não uma prisão, uma necessidade.

LV: O que tem a dizer sobre a rádio CULT FM?

MM: Que adorei! To honrada de ouvir minhas músicas por aqui pois estou muito bem acompanhada. As rádios de hoje estão muito viciadas em velhas fórmulas. É bom ouvir uma música do arco da velha seguida de uma super novidade sem essa de ter um programa especial para as músicas antigas, outro programa especial para música brasileira. O negócio é misturar tudo no mesmo caldeirão e vocês estão fazendo isso para lá de bem. Vida longa à rádio Cult FM.

Saiba mais sobre Mônica Montone acessando http://www.monicamontone.com/

(foto: Rogério Felício)


Serviço

Mônica Montone
Show de lançamento do clipe “Te amo de amor”
Local: Cinematheque
Data: 09 de fevereiro, terça-feira
Horário: 21h
Ingresso: R$20
Endereço: Voluntários da Pátria, 53, Botafogo, Rio de Janeiro


Você também pode gostar:

0 comentários

Mais vistos